terça-feira, maio 10, 2016

Quando os livros quebram o silêncio

Hoje escrevo sobre a biblioteca itinerante de Proença-a-Nova . Um projeto cultural que desde há dez anos é dinamizado por Nuno Marçal. Falar do bibliotecário que  viaja pelas aldeias mais recônditas do Pinhal Interior sem dar boa nota da componente humana do cidadão é muito pouco.
 

É que Nuno Marçal não se faz acompanhar apenas de livros. Às pessoas leva mais que livros. Na mala de viagem também vão revistas, bons conselhos e uma mão cheia de afetos.
Sorrisos feito palavras que abraçam e acrescentam alegria às pessoas que resistem à desertificação.

Nuno Marçal é um colecionador de imagens da vida no campo. Momentos de uma ruralidade em que a rotina só é quebrada pela chegada da bibliomóvel.

Quer seja através da Mala das Letras, quer através dos improvisados clubes de leitura que se criam nos lugares e nas aldeias onde às vezes sobressai o som de um acordeão ou a concertina de alguém que se junta ao coro das palavras soltas e consegue criar animação de rua.

Nesse instante o adro da igreja ou o espaço mais amplo do casario transforma-se num palco de cantigas ao desafio.

Quem diz cantigas, diz estórias. Memórias de outros tempos e lugares que a alma implora que se recordem. 
Partilha-se, então, esse património imaterial de uma geografia em que os livros quebram o silêncio.

Além dos livros e do gesto, a bibliomóvel de Proença-a-Nova promove ainda os diálogos entre pessoas cujas famílias estão muitas vezes distantes. Mas também ajuda a solucionar questões de natureza burocrática que tantas vezes representam um problema de maior dimensão para quem está isolado.

Por todas estas razões e outras que não caberiam nesta meia dúzia de linhas, vale a pena continuar a investir na rede de bibliotecas itinerantes. Em Portugal serão cerca de 60. Na Cova da Beira, houve o caso da biblioteca itinerante dinamizada pelo município do Fundão. Oxalá a dinâmica da bibliotecária Dina Matos faça da Eugénio de Andrade uma biblioteca que rasga fronteiras e combate a solidão que marca os dias das  nossas aldeias.

E agora apetece citar Jorge Luís Borges e um magnífico poema sobre os livros.

E diz assim:

Os Meus Livros

Os meus livros (que não sabem que existo) 
São uma parte de mim, como este rosto 
De têmporas e olhos já cinzentos 
Que em vão vou procurando nos espelhos 
E que percorro com a minha mão côncava. 
Não sem alguma lógica amargura 
Entendo que as palavras essenciais, 
As que me exprimem, estarão nessas folhas 
Que não sabem quem sou, não nas que escrevo. 
Mais vale assim. As vozes desses mortos 
Dir-me-ão para sempre. 

Jorge Luis Borges, in "A Rosa Profunda" 

Aos leitores deixo ainda o link de uma belíssima conversa com Nuno Marçal. https://www.mixcloud.com/dulcegabriel58/porque-hoje-%C3%A9-domingo-1-maio-2016-rcb-nuno-mar%C3%A7al/

quarta-feira, maio 04, 2016

Debater o Interior

O Jornal do Fundão retoma dentro de alguns dias uma das matrizes que tão bem o caracterizaram no tempo de António Paulouro. 

Discutir o Interior não é coisa pouca e se o debate abranger uma maior geografia territorial, tanto melhor! 

Bem sei que os sucessivos debates, iniciativas e grupos de trabalho em defesa do Interior têm alterado muito pouco o nosso fado. Mas se à mesma mesa se reunirem outras vozes de um eixo territorial mais basto que a Beira Interior pode ser que a expressão mediática que o fórum possa vir a ter seja mais um grito de alerta da geografia onde se colhem poucos votos. 

Desconheço se é apenas o facto de não sermos muitos que justifica o constante desinvestimento no Interior. Também não sei se essa é a única razão que, no caso concreto da Beira Interior,  nos trouxe as portagens mais caras do país. Porém, vejo que o discurso em defesa do Interior continua a estar na agenda. Reconquista holofotes. Está na génese da criação de mais um Grupo de Missão para o Desenvolvimento do Interior. 

Chegará? 

As Primeiras Jornadas do Interior que o Jornal do Fundão realiza no Fundão no dia 13 de maio recordam-me outras jornadas. As da Beira Interior que nos anos 80 do século XX António Paulouro promoveu. 

De então para cá a Beira Interior mudou muito. Felizmente para todos os que aqui resistem e continuam a acreditar no futuro deste cantinho entre serras. 

Ainda assim, importa fazer mais. Legislar no sentido de repovoar os territórios de baixa densidade. Nós por cá, vamos tendo tudo. 
Mas faltam pessoas. 

Venha o debate!

terça-feira, maio 03, 2016

Festival Literário da Gardunha

Mais de 25 escritores de diferentes gerações e países, vão marcar presença na terceira edição do Festival Literário da Gardunha (FLG) que se realiza no concelho do Fundão de 16 a 22 de maio.

A programação do FLG prevê a realização de várias dinâmicas com escritores estando prevista a realização de outras atividades culturais. É o caso do lançamento do livro "O Caroço" de Albano Martins. Ou a inauguração de uma exposição fotográfica de Diamantino Gonçalves. Ponto alto da programação será o espetáculo "Fado Revisitado" com Camané e Mário Laginha agendado para dia 21 no Octógono. 
Do programa constam não só as conversas e mesas redondas com os escritores convidados, como duas residências literárias, dois encontros com alunos, uma feira do livro, uma projeção cinematográfica, e ainda “workshops”.  
O festival organizado pela Câmara Municipal do Fundão e A23 Edições tem a serra da Gardunha como fonte de inspiração para a temática do evento. "Escrever a Paisagem".
A promoção das relações ibéricas e internacionais, o encontro entre escritores consagrados e mais jovens e ainda a integração de escritores oriundos da região são outras das marcas que caracterizam o FLG.
Este ano, os encontros literários com a Gardunha permitirão ainda uma abordagem aos países lusófonos de Angola e Moçambique. Está garantida a representação de escritores angolanos e de um escritor moçambicano.
A relação com a comunidade local é outra das particularidades do FLG estando garantida a participação dos escritores Gonçalo M. Tavares e Dulce Maria Cardoso na realização das residências literárias e a deslocação a escolas do concelho do Fundão. 
Entre os que já confirmam presença estão César Antonio Molina (escritor ensaísta e antigo ministro da Cultura em Espanha, a quem caberá a sessão de abertura), Adriana Veríssimo Serrão, Clara Ferreira Alves, Cristina Carvalho, Eduardo Pitta, Fernando Dacosta, Fernando Echevarría, Fernando Guimarães, Pedro Mexia, Mário Zambujal ou Marcello Duarte Mathias e Mbate Pedro.

Práticas Agrícolas Sustentáveis em debate

A freguesia de Castelo Novo (Fundão) acolheu no dia 23 de abril a primeira edição dos "Encontros de Primavera", organizados pela Associação Sociocultural daquela Aldeia Histórica. Um dia de debates para aflorar as práticas agrícolas de antigamente e deixar ideias para o desenvolvimento agrícola sustentável do território.

O Encontro reuniu especialistas em produção agrícola e preservação da biodiversidade e na plateia estiveram dezenas de jovens empreendedores. Alguns dos quais deixaram o conforto dos empregos na área metropolitana de Lisboa e estão a radicar-se no interior profundo.

Tiago Lucena  é um desses jovens empreendedores que tem passado os últimos anos a estabelecer pontes e a dinamizar projetos de produção agrícola inovadores e amigos do planeta. O apicultor que está a mudar residência para Castelo Novo, entusiasmou a assistência  com uma intervenção contra a "lógica economicista do imediato". Uma intervenção repleta de soluções inovadoras que poderão inverter o estado de uma sociedade que "já conseguiu acabar com 50% do planeta". Um planeta que "é finito" e que tem na "permacultura e na biodiversidade o caminho da sustentabilidade”.


Lembrando que há um conjunto de estrangeiros experientes em boas práticas de desenvolvimento da agricultura que "estão a ser marginalizados", Tiago Lucena recordou como muitos estão a implementar boas práticas seculares e deixou exemplos de como a policultura ou o aproveitamento de resíduos para matéria orgânica são boas experiências de agricultura biológica.

Jorge Ferreira é engenheiro agrónomo e consultor em agricultura biológica. Em Castelo Novo explicou como o monopólio das empresas de sementes está a comprometer as variedades tradicionais. "Só as variedades de culturas permanentes, como as castas de vinha, as de oliveira, a pera rocha, ou maçã bravo-de-esmolfe", não estão comprometidas.


Os "Encontros de Primavera" constituíram uma lufada de ar fresco na abordagem ao cultivo das terras e a organização promete realizar outras iniciativas ainda este ano.