segunda-feira, julho 25, 2016

Uma senhora Malha

Sobral de São Miguel, concelho da Covilhã, já não é só praia fluvial e xisto.
O Sobral também é saber fazer e recriar.

Este dia fui convocada para observar o Xistrilhos - iniciativa de Verão para animar a freguesia que faz parte da Rede das Aldeias do Xisto de Portugal. Disseram-me que logo pela manhã haveria uma caminhada serra acima e com direito a observar a frescura das paisagens encravadas nas serranias.

Mas o que me despertou os sentidos foi a realização da malha do trigo.
Tarefa árdua que só os mais afoitos conseguem concretizar mas que cedo mobilizou uma povoação inteira!

Preparar a malha parece coisa do antigamente, mas no Sobral não há quem não se empenhe a fundo na recriação de uma das dinâmicas associadas à etnografia da Beira e aos trabalhos no campo.
Seja por a malha estar bastante enraizada naquele povo, seja por a Junta de Freguesia local estar empenhada em dar visibilidade às suas origens e tradições, a verdade é que ninguém faltou ao encontro.

E muitos vestiram-se a rigor. Que é como quem diz, foram ao guarda-roupa procurar os trajes mais típicos do trabalho no campo. Roupas antigas que tapam o frio e o calor como me explicaram alguns dos participantes.

Associado à realização da malha do pão estão os petiscos regionais. Na malha do Sobral de São Miguel não faltou o bolo a escorrer mel (miaus) nem a sangria feita à base de vinho tinto fresco com água e açucar ( champorrião). Um e outro são deliciosos , diga-se,  e constituíram a "bucha" para alimentar a barriga aos homens e mulheres que naquela manhã elevaram o mangual (mongalo) para retirar os grãos de trigo.

A eira estava repleta de gente para observar a dança do mangual e a cadência das batidas. Era imperioso registar o momento. As novas tecnologias e ferramentas de comunicação assim o determinam. Naquele sábado de julho, debaixo de um calor abrasador, muitos gravaram vídeos e
registaram o momento histórico para a freguesia que pretende ter maior visibilidade no mapa das Aldeias do Xisto.

E se o ditado diz que querer é poder, estou certa de que a autarca local (Sandra Ferreira) não deixará de esgrimir argumentos e elevar o discurso reivindicativo por forma a que Sobral passe a estar no mapa.

Não basta o esforço e empenho de uma povoação inteira. Não basta a sinalética que já se encontra nas imediações da freguesia. É preciso estendê-la às grandes vias de comunicação. Importa ainda incentivar os agentes locais e organizações institucionais a investir no Sobral.
Nessa altura haverá mais que um alojamento local, mais que o evento anual (Xistrilhos), mais que entrega de quem ali resiste e acredita no futuro da localidade encravada nas serras.


segunda-feira, julho 11, 2016

Dias da Música no Fundão

Os Dias da Música. Os Dias da Música costumam ser no Centro Cultural de Belém, em Lisboa. Mas também há dias da música na capital da Cova da Beira.

Pego no título de uma das mais prestigiantes iniciativas do Centro Cultural de Belém para me focar no igualmente prestigiante Concurso Internacional Cidade do Fundão ao qual se juntou neste ano de 2016 o FICE- Fundão International Cello Encounter.

O violoncelo foi, de facto, a mais valia e novidade da edição 17 do Concurso organizado pela escola de ensino artístico da música no Fundão.
Primeiro porque logo na estreia da variante de violoncelo houve cerca de 50 jovens instrumentistas a concorrer. Depois por o violoncelo ter sido o instrumento que deu ritmo e cor ao FICE.

Mas comecemos pelo Concurso Internacional.

A prova que este ano reuniu 180 concorrentes de Portugal, Espanha, Holanda e Brasil é um renovado caso de sucesso pois a cada edição há uma história paralela de alguém que se obriga a dar a volta ao mundo para conseguir marcar presença no encontro.
Lauro Lira Lopes é natural do Rio de Janeiro e quando soube da prova nem pensou duas vezes. Inscreveu-se e prespectivou como o Concurso Internacional do Fundão lhe poderia abrir horizontes e dar a conhecer professores capazes de lhe abrirem as portas para dar aulas na Europa e realizar o mestrado.
Com o Brasil meio em estado de sítio, Lauro Lopes viveu uma "verdadeira saga" e obrigou-se a vencer burocracias múltiplas para obter passaporte, viajar para Portugal e posteriormente para o Fundão a tempo de realizar a prova de violoncelo de nível superior.
Chegou horas antes das eliminatórias que ocorreram no dia sete e não se cansa de agradecer ao incansável diretor do Concurso, professor João Correia, por se ter disponibilizado a suprir a necessidade de transportas públicos fora de horas entre Lisboa e o Fundão e ter garantido a que Lauro chegava a tempo de realizar as provas de violoncelo.
Lauro não chegou viu e venceu mas obteve uma menção honrosa que, espera, possa traduzir-se na conjugação de recursos para se fixar em Portugal
Aos 23 anos o jovem que veio de mochila e violoncelo e que ficou mais de dez horas no aeroporto respira boa disposição e não poupa elogios o Concurso do Fundão e ao FICE.

Digamos que Lauro é uma espécie de porta-voz de todos quantos participaram e dinamizaram os Dias da Música no Fundão!
A também designada terra da Cereja respirou musica. As ruas da cidade de pequena dimensão ganharam mais vida e havia música no ar. Bastava andar pelo Fundão antigo e desde a Praça do Município até à Praça Velha ou ao Largo da Estação ferroviária o transeunte cruzava-se com o sorriso de dezenas de jovens que de instrumento às costas conversavam sobre a terra onde a cultura e a música andam de mãos dadas.

E se o Fundão já está no mapa das artes também por via do Concurso Internacional que a Academia de Música e Dança muito bem organiza e promove, esta terra passou a integrar o roteiro de acontecimentos culturais maiores.

A escolha do Fundão para acolher os músicos de renome que fizeram o FICE deve orgulhar, e orgulha, uma comunidade inteira. É que além de o Fundão passar a fazer parte de um projeto que desde há 21 anos se realiza no Rio de Janeiro, o Fundão assistiu a concertos e recitais que juntaram na Moagem e na Praça Velha David Chew , violoncelista que lançou no Brasil o Rice (Rio International Cello Encounter),  Russell Guyver ou Lorna Griffitt.

Não sabemos se o Cello Fundão terá continuidade ou se alguma vez atingirá o patamar de versatilidade cultural das edições do Brasil que também já permitem dar visibilidade à dança e às artes esculturais, mas temos a certeza de que valeu a pena o Fundão através da sua Academia de Música e do Município se terem envolvido na concretização de um evento que enriqueceu o Concurso Internacional e colocou o Fundão na rota de um grande acontecimento artístico.

Parabéns!