terça-feira, outubro 03, 2017

Uma Doçura de Teimosia

Qualquer dia faz dezasseis anos. Está uma mulher!
Há maneira que os anos avançam o perfil de menina torna-se mais refinado e damos-nos conta do quão parecidas somos.

Lá em casa as semelhanças dão um jeitão à classe masculina do clã. Vezes sem conta ouve-se uma voz mais poderosa e rabujenta que nos lembra a autenticidade dos nossos traços e modos de agir. 
- És mesmo como a tua mãe! 
A tirada do mais adulto homem da casa quase sempre tem resposta. E a mesma traduz-se numa estridente e cumplice gargalhada.

Mas como em tudo na vida, a rotina nem sempre veste azul ou transborda as cores do arco-íris. 
A Nina, como lhe chamo desde bebé, é uma doçura de teimosia. O modo de ser e as reações intempestivas que herdou da progenitora, quase sempre seladas com um ruidoso bater de porta, desaparecem instantes depois.
Na terminologia moderna chamar-lhe-ia bipolar. Mas eu, que sou tão igual a ela, perfiro caracterizá-la como mau feitio.

E o que é ter mau feitio, ser intempestiva ou bipolar?
Não quereremos dizer que somos determinadas? Exigentes...

A menina quase mulher é, efectivamente, uma rapariga determinada. Na escola, no desporto e nas relações interpessoais.

Os últimos tempos não têm sido fáceis pois o clã passou de cinco para quatro elementos. 
A "Judite Sousa" lá de casa está menos perto de nós. Menos presente. Ainda que seja um afastamento físico nenhum de nós esconde que temos saudades dos monólogos da "Judite Sousa" e da forma organizada e metódica que desde sempre caracterizam o seu percurso.

É diante esta realidade que o par de intempestivas reganha uma cumplicidade adormecida. 

A distância forçada de um deixou mais espaço e tempo para a mau feitio mor  renovar os laços umbilicais com a nadadora e pianista que sonha ter muitos filhos e casar com um homem rico.

Sim, o leitor percebeu bem! A Nina quer ser uma mãe de mão cheia. Contudo, não será a fada do lar.

Nós, pessoas determinadas e audazes, temos um enorme apego à família e alimentamos o cordão umbilical mas também queremos voar!

Voemos! Sejamos sempre uma doçura de teimosia. Nem que seja para que o Tiquita tenha a certeza que também o amamos muito. Tiquita será sempre o benjamim da família. E os traços de doçura teimosa já começam a dar sinais.

E agora que a prosa intimista chega aos fim, apetece-me dizer-vos: A Nina, que é sangue do meu sangue e papel químico dos Gabriel, tem sido o nosso amparo.

Ela é forte e determinada. Confia no amor incondicional e sabe promovê-lo.

Que a harmonia e musicalidade continuem a ser a banda sonora de nossas vidas.


quarta-feira, agosto 23, 2017

Hip-Hop no TeatroAgosto

“Antecipar o futuro” é o título de um álbum de canções de Hip-Hop interpretadas por Cevas. Cativou a minha atenção numa das noites da edição XIII do Festival Internacional de Teatro ao Ar Livre que decorre no Fundão até dia 27 de agosto.

Ir ao TeatroAgosto no mês em que a oferta cultural parece mais vocacionada para festas e romarias é uma bênção para quem continua a acreditar que no Interior de Portugal há movida e há quem faça acontecer.



O Festival de Teatro do Fundão é organizado pela ESTE- Estação Teatral. Uma companhia profissional de teatro radicada no Fundão que, a muito custo e movida a balões de oxigénio, consegue promover iniciativas culturais diferenciadoras que também acrescentam notoriedade ao Fundão.

Desde sempre a surpreender direcionando os espetadores e seguidores para o teatro que mergulha na identidade de um território mas também trabalha obras de grandes dramaturgos, a ESTE presenteia-nos a cada Verão com um cartaz cultural que orgulha uma comunidade inteira.

Desta vez o TeatroAgosto volta a brindar-nos com música e já esta noite (23 de agosto) há um Café Concerto - que é solidário pois as entradas revertem a favor da campanha de reflorestação da serra da Gardunha- em que atua “Anita do Brasil”. Ouviremos, então bossa nova, samba e a guitarra carioca interpretada por Miguelão. Antes disso teremos oportunidade de assistir à mais recente produção da ESTE. "Há Beira na revolta" é um espectáculo que reúne quatro histórias de força  e resiliência beirã: A tomada do Carvalhal, A história do Zé de Manteigas, A Rua dos Alves e As Cebolas de Napoleão.Cá está um exemplo de como a recolha e trabalho de laboratório da Estação Teatral nos ajuda a compreender o território!

Não faltam, pois, motivos para estar em mais um serão na Moagem-cidade do engenho e das artes.

Ali, voltando ao princípio deste texto, descobri a paixão e arte do jovem natural do Alcaide “Cevas” que através das letras das suas canções acrescentou criatividade e uma energia vibrante ao Festival de Teatro do Fundão. Antecipando o futuro, Cevas encantou-nos com a nostalgia de um amanhã relacionado com a memória coletiva de um território marcadamente rural e cuja geografia é inspiração para as letras do jovem rapper nascido na década de oitenta.

O Jovem Simple Sample Digger como se identifica nas redes sociais tem a freguesia do Alcaide no coração. Das suas letras brotam palavras de saudosismo quanto à movida na aldeia e convívios citadinos em lugares emblemáticos do seu Fundão. A cidade onde estudou, cresceu e se fez homem e à qual regressou para uma noite de ritmos que entusiasmaram a plateia constituída por fiéis seguidores do percurso do músico que já editou dezenas de álbuns e trabalhou com inúmeros dj´s de Portugal e do estrangeiro.

No TeatroAgosto fez-se acompanhar do Dj Fatinch e na voz fez duos com Uno. Cevas está ligado ao movimento Hip Hop no Fundão e o seu trabalho parece estar a dar frutos. Basta ouvir atentamente um dos mais conhecidos temas do rapaz que foge aos padrões comerciais e coloca em cada letra o seu mais apurado sentido critico denotando a irreverência própria dos criativos. 


e a letra



Observei mais do que falei, fui observador, 
Olhei no ínfimo dos outros, tornei me comunicador, 
Saltei a cerca dos limites sem ser anarquista, '
A vista vês me com ideais universalista. 

Dei mais ouvidos a quem precisou de uma pista certa, 
Aperta a mão que eu te ajudo a ficar alerta, 
Acerta o ritmo de uma vida que dói e infecta, 
E se intersecta em humildade que aceita a recta. 

A identidade que encontrei também te inspira, 
Na mira sou o que sei bem sem ser um akira, 
Prefira eu viver em paz com o que te transpira, 
Na ira estás sem soluções que mingua ou mirra. 

E tudo é grande ou pequeno consoante a estala, 
Dentro da escala a dimensão só ilude a fala, 
Ninguém agrada a toda a gente pela falta de tempo, 
Além do ser mais resiliente existe o consentimento. 

Mantenho o circulo em aberto para a tua entrada, 
Permito noções de unidade de forma ilimitada, 
Onde o limite se estabelece se o que percebeste foi nada, 
O entendimento está para quem sente a mesma bojarda. 

E os que se juntam ao movimento buscam pertencer, 
A uma atitude implacável sem razão de ser, 
Só por valer, prevalecer...
Nem sei se tas a entender....

segunda-feira, agosto 14, 2017

Um concerto com memória

O contador de histórias, Jorge Serafim foi o anfitrião do espetáculo que o coletivo “Tais Quais” apresentou no largo do Calvário na cidade do Fundão numa das mais concorridas noites do Festival Cale&SangriAgosto.

Conhecedor da região onde regressa com alguma frequência para o TeatroAgosto - festival internacional de teatro ao ar livre, Jorge Serafim cativou a plateia com as suas histórias e humor que, de tanto nos fazerem rir, provocam dores no maxilar.

Serafim foi uma espécie de narrador da viagem pela música tradicional alentejana dando entrada aos temas. Cada um mais fantástico que o outro!

Parecia uma noite de canções ao desafio pois os milhares de espectadores deixaram-se envolver no alinhamento do espetáculo que além de Jorge Serafim reuniu no mesmo palco João Gil, Vitorino, Tim, Paulo Ribeiro, Sebastião Santos e Celina Piedade mais Vicente Palma que, a meu ver, fizeram a diferença pela mestria que os caracteriza no toque do acordeão e do piano, respetivamente.

Desconheço se Vicente veio para substituir Jorge Palma que aparecia na formação inicial dos “Tais Quais” mas tenho a certeza que o público que o viu no Teatro Clube de Alpedrinha em dezembro de 2016 confirmou ontem no Fundão o adágio popular que diz “filho de peixe sabe nadar”.
Ao talento de Vicente Palma e Celina Piedade junte-se o não menos performativo e inspirador Sebastião Santos. Na voz e na bateria, o filho de Tim também fez a diferença.
A interpretação do tema “Algibeira” do disco de estreia da banda fez a diferença num espetáculo de matriz alentejana que nos permitiu ver e ouvir Tim dedilhar a viola campaniça ou Paulo Ribeiro interpretar, em modo cante, o tema “circo de Feras” dos Xutos e Pontapés.

Foi uma noite de forte empatia entre músicos e público de todas as idades, com expoente máximo na interpretação de lendários temas de Vitorino como “Menina estás à Janela”. O projeto “Rio Grande” também foi revisitado na interpretação de “Postal dos Correios”.

A atuação dos “Tais Quais” no Fundão ficará na memória dos espetadores como um dos mais divertidos e concorridos concertos de um passado recente. Daqui a uns anos ouvir-se-á falar da noite em que o covilhanense João Gil partilhou, a partir do palco instalado nas proximidades da antiga Casa do Bico (Estalagem da Neve), com a plateia a memória de conversas antigas partilhadas à mesa do convívio com dois homens cuja memória valoriza o passado de história, vivência e comunhão de vontades de António Paulouro e António Morão.


Um e outro já não estão entre nós. Mas os que lhe foram próximos, e seus admiradores seguidores, haverão de estar contentes por saber que nesta geografia, às vezes esquecida e tão pródiga a desvalorizar os nossos, ainda há quem se lembre das vozes discordantes e portadoras de um assertivo ideal de liberdade de pensamento. 

#Foto de Miguel Proença 

quarta-feira, agosto 09, 2017

Subir à Estrela num dia de Verão

O calor de uma quinta-feira de agosto convoca quem está de férias a refrescar-se nas paradisíacas praias fluviais da Beira Interior, a ficar na piscina lá do burgo ou na do hotel mais próximo. Naquele 3 de agosto o desafio imposto pela curiosidade passou por subir ao alto da Torre em plena serra da Estrela.
Às nove da matina em ponto a “tropa” saiu de casa entrou no carro da condutora insegura mas audaz e fez-se ao caminho. 
Ainda na cidade do Fundão deu-se conta da forte presença de emigrantes que por estas semanas acrescentam movimento e valor à cidade e economia local.
Embora muitos comerciantes digam que os emigrantes que passam o ano na Europa já não vêm tão abonados como antigamente e também já não deixem na banca portuguesa as divisas de outrora, a verdade é que numa cidade de pequena dimensão como o Fundão a presença dos emigrantes faz toda a diferença.
Não sabemos se vêm os tais cerca de 25 mil de que falava há uns dias o autarca local, quando aludia à forte componente de emigração que caracteriza o concelho do Fundão, mas sabemos que o pico do Verão coincide com mais gente, por exemplo, no mercado da segunda-feira.
E este é, pois, um tempo em que as nossas aldeias e vilas reganham vida e até atingem um certo patamar cosmopolita. É também essa realidade que o viajante encontra quando, como comecei por contar, se propõe subir à Estrela num dia de Verão.
Se nas Penhas da Saúde o café, momento de caminhada e reencontro com a memória foi quase solitário, dada a ausência de pessoas nas imediações do hotel "Serra da Estrela" ou do Clube Nacional de Montanhismo, mais acima começamos a cruzar-nos com carros de matrícula estrangeira.
Primeiro os espanhóis. Sim, o país vizinho continua a gostar do nosso sol e mar mas também se interessa pela montanha. Foi isso que constamos no belíssimo e requintado “Soadro do Zêzere” em Valhelhas onde almoçamos principescamente e por um preço razoável.
Mas a Estrela também é ponto de encontro de emigrantes. Sobretudo os franceses e suíços. Lá os encontramos no alto da serra da serra da Estrela! 
Ora para a foto de família e recordações de outras visitas ora para o reencontro com os produtos tracionais da região.
Alias quem entra no Centro Comercial da Torre é rapidamente convocado a provar a deliciosa regueifa, o tradicional queijo da serra ou os paios, presuntos e lombos embalados em vácuo.
Nesta altura do ano o movimento de turistas na Estrela cai para menos de metade. Ainda não existem programas nem atrativos para a serra fora do tempo da neve e talvez isso explique o decréscimo de turistas no cartaz chapéu do turismo na região.

Nada que desanime quem tem no Centro Comercial da Torre a rotina de uma vida inteira. Mas nem só de produtos típicos se faz a oferta comercial. Hoje em dia é bastante comum encontrar utilidades como atoalhados e panos com dizeres alusivos a serra. Foram esses recuerdos que muitos espanhóis terão levado para pais de origem. Souvenirs que muito ajudam a manter o mercado da saudade. Mas também há os "borregos" que no Inverno aquecem os pés, os casacos ou samarras e ainda os gorros que podem ter dizeres alusivos à serra ou ao clube de futebol de maior expressão dentro e fora de Portugal. É no mercado da saudade que muitas vezes se cruzam portugueses oriundos de várias paragens e que no Verão regressam sempre às origens. 
Observam então a geografia de berço, renovam abraços e estimulam os afetos "adormecidos" no Verão transacto. É também nesta altura do ano que muitos dos nossos regressam aos locais paradisíacos dos territórios para retemperar energias e embebedar-se na beleza das paisagens verdejantes e na frescura das águas límpidas do rio ou da ribeira mais próxima.
Naquela manhã de agosto o viajante fez-se ao Covão d`Ametade e foi com um sentimento de indignação que se deu conta do abandono a que está votado um lugar que tantas vezes escolheu para convívios e lazer pois sempre o encontrou limpo e verdejante. 

E permanece verde. Mas não está limpo e os equipamentos votados ao abandono estão destruídos, danificados, sujos. Irreconhecíveis! Será este um retrato apenas do vandalismo ou as mazelas resultam da falta de vigilância e do desapego dos senhores do Parque Natural da Serra da Estrela? Pensar que o Covão d`Ametade foi classificado como Local de Interesse Geológico! Mas alguém se interessa?

Fica o recado para quem o quiser interiorizar. E o mesmo é válido para os gestores do Centro Interpretativo da Serra da Estrela localizado no alto da Torre e permanentemente fechado.
Aberto estava, em Valhelas, o restaurante "Soadro do Zêzere" onde o proprietário nos recebeu com uma educação e elegância pouco regulares na receptividade a quem visita o coração da Estrela.



Valeu a pena "cair da cama" e fazer de um dia de Verão um passeio pelos trilhos da serra onde desta vez não houve disposição e força anímica para subir ao Cântaro Magro ou fazer escalada na Parede dos Fantasmas.
Também não me cruzei com o pastor que há cerca de vinte anos me contou todos os segredos associados ao pastoreio de cabras e ovelhas. 
Talvez o tivesse encontrado se o tivesse procurado nas imediações da casa da ASE- Amigos da Serra da Estrela onde outrora descobri sons e "tarântulas" e me aqueci à lareira da casa abrigo.  

Talvez....
Talvez a proteção e vigilância da floresta tivessem ajudado a prevenir os incêndios que há alguns anos devastaram o Vale Glaciar do Zêzere. 
Será o leitor capaz de imaginar a melancolia que nos invade a alma quando num regresso a Manteigas nos apercebemos da erosão dos solos e da destruição da riqueza da serra? 
Fica a pergunta. 

quarta-feira, abril 19, 2017

Canções com Memória

Diz o poema da canção que hoje ecoará no Meo Arena


"Quantas vezes me sinto perdido 

No meio da noite Com problemas e angústias Que só gente grande é que tem Me afagando os cabelos Você certamente diria Amanhã de manhã você vai se sair muito bem Quando eu era criança Podia chorar nos seus braços E ouvir tanta coisa bonita Na minha aflição Nos momentos alegres Sentado ao seu lado, eu sorria E, nas horas difíceis Podia apertar sua mão" (...)


O tema belissimamente interpretado por Roberto Carlos é umas das minhas canções de e para a vida. O Rei completa hoje 76 anos. Minha mãe teria completado 72 e meu pai teria no dia 10 de abril alcançado a bonita fronteira dos 98.



Que têm meus pais a ver com uma das mais nostálgicas canções de Roberto Carlos?



Tudo.



Aprendi a ouvir Roberto Carlos nos anos 80 do século XX com os meus pais. Na Gardunha não havia televisão e naquela época também não havia consolas. Eu também não tinha muitos brinquedos nem bonecas. Na tranquilidade (hoje recordo assim a serra da Gardunha) ou na pasmaceira dos dias passados na solidão de que mora na floresta, as horas eram passadas na companhia dos pais e da minha irmã três anos mais nova. 



Aos domingos à tarde, quando as temperaturas o permitiam, trazíamos o rádio para as escadas da casa e sintonizávamos a onde média da Rádio Altitude. Apesar de na aldeia as tardes de domingo serem propícias aos bailaricos no salão paroquial, eu permanecia na serra e ouvia os discos pedidos ( sim, naqueles anos a telefonia também dedicava discos e aproximava pessoas ou era remédio contra a solidão!) ao lado da mãe Patrocínia.



Levantávamos o volume do Rádio e mesmo que meus pais se entregassem à rega, à sacha ou às tarefas do campo, havia a certeza de que nenhum de nós perderia o programa emitido a partir da cidade mais alta.



Também havia momentos de pura empatia. Eu e a mãe chegávamos a cantarolar juntas. Às vezes também me sentava na perna direita de meu pai que guardava a esquerda para a mana Paula e fazia cavalinho connosco.



Ali ficávamos a contemplar a paisagem verde, às vezes já com tonalidades de verão e outono, e a receber do mimo incondicional dos progenitores.



"Lady Laura" é uma dessas canções intemporais que, além de um saudosismo profundamente melancólico, me faz recuar ao tempo em que sendo criança me fiz adulta e mulher precoce.  Interiorizava o significado de cada uma das quadras da canção interpretada pelo lendário musico que neste 19 de abril de 2017 regressa a Portugal para um concerto que há-de ser memorável.



Às vezes, ou muitas vezes, as canções devolvem-me a lembrança dos dias andados, dos caminhos cruzados com a Gardunha ou outras paragens bem mais planas mas igualmente pejadas de boas lembranças a ouvir as canções do Rei.


E aqui vos deixo outra

https://www.youtube.com/watch?v=54xxnkXqltw

E mais outra

https://www.youtube.com/watch?v=3fuzoSGTNOo

Por razões diferentes são canções com memória.





sexta-feira, março 24, 2017

Uma Ode à Casa do Barro

Bom Dia!
Não Basta Olhar.
É preciso falar!
As palavras ditas por uma septuagenária quebraram o longo silêncio no curto passeio do final da manhã primaveril no Telhado.
A viagem concretizada por via de uma visita de estudo à Casa do Barro tinha permitido perceber que nesta como noutras aldeias da Beira a vida faz-se devagar e na calmaria do calendário que à hora certa leva as pessoas para as empresas longe da terra do barro ou do berço do poeta Albano Martins.
Num povoado com cerca de 600 habitantes o ofício outrora dedicado à olaria é agora preenchido noutras paragens e geografias porventura menos poéticas.
Enquanto muitos saem de manhã para voltar ao por do sol preenchendo a jornada em busca do ganha pão na terra do barro, onde a linguagem poética vai além da "Torre das Palavras", permanecem os residentes com mais idade.
Uma espécie de Sol Nascente que transporta o transeunte para a esperança que olhar alcança no verde esperança que caracteriza os campos verdejantes e a perder de vista.
Enquanto o relógio avança e a senhora Maria arruma a casa e coloca a roupa da cama à janela, há um punhado de crianças de tenra idade que invade a pacata aldeia e semeia a alegria de viver. As ruas silenciosas que nos anos trinta do século XX foram calcorreadas pelo poeta das paisagens voltam a ter vida mesmo quando as crianças da escola primária, que resiste à desertificação humana, estão naquele instante em horário lectivo.

São dezenas de miúdos (as) acabados de chegar do Fundão que é cidade das cerejas e foi berço de outros poetas e homens que semearam as palavras que desde sempre inscreveram a terra de José da Cunha Taborda ou de José Alves Monteiro na paisagem literária e instruída da Cova da Beira.
É então que apetece comparar a energia contagiante da miudagem ao desabrochar das flores.
A correr e saltar, cheios de curiosidade vão ao encontro do barro e dos ofícios que há muitos anos foram sustento maior para as gentes do Telhado. Ali descobrem a importância da olaria numa casa temática que os ajuda a compreender a metodologia de trabalho, as peças e a roda do oleiro que chega a entusiasmar a educadora Amélia Nunes.
Portadora de um vasto leque de conhecimentos relacionados com oralidade, etnografia e tradições Amélia Nunes é como peixe dentro de água. Embora teime em recusar a publicação de tanta sabedoria popular é nela que as crianças de 4 e 5 anos se focam para, através dos sentidos, se apaixonarem pelas rotinas da olaria.
Amélia parece uma profissional de turismo e explica ao Rodrigo, ao Gonçalo ou à Maria o bê à bá da olaria e das utilidades criadas pelo labor dos oleiros cuja criatividade e sentido empreendedor transformou o barro em tigelas, potes, cântaros, gamelas e tachos ou até nas coelheiras.
Imagine o leitor a cara de estupefação da criançada quando ouviram Amélia contar-lhes que naquela peça poderiam habitar coelhinhos.

E depois vieram os Rostos da Memória, memorial dedicado aos muitos oleiros cujo labor de uma vida de dedicação permitiu gerar riqueza e o património imaterial às vezes plasmado nos livros e na linguagem poética que vai muito além do percurso literário de Albano Martins e que também convoca o visitante do Telhado a conhecer essa valiosa "Torre das Palavras" que é contígua à Casa do Barro onde as crianças do Fundão meteram as mãos no barro.
E diz o poeta :
"De barro somos, dizem os oráculos, solicitas vozes do crepúsculo ou das manhãs solenes, rituais (...)"

sexta-feira, janeiro 27, 2017

O exemplo da Liga dos Amigos do Tortosendo

No outro dia o meu programa de rádio saiu do estúdio da Rádio Cova da Beira e foi ao encontro de um conjunto de jovens e dirigentes que dão vida a uma das mais emblemáticas coletividades da vila do Tortosendo no concelho da Covilhã.

Foi o entusiasmo do recém-eleito presidente da Liga dos Amigos do Tortosendo, Eduardo Alves, que me fez ir à descoberta daquele espaço mágico, localizado bem no centro da vila operária, para perceber das intenções e projetos de futuro.

A história e as memórias de uma “família” que já reúne à volta de 800 membros é uma realidade que bastante orgulha Manuel Carrola, sócio fundador da organização que hoje é um pulmão de cultura.

A Liga dos Amigos do Tortosendo é-me bastante familiar por via do dinamismo de duas mulheres com quem tenho tido o privilégio de me cruzar neste percurso entre as notícias e a movida cultural da região. As professoras e amantes dos livros Merícia Passos e Adélia Mineiro.

É esse registo cultural que tão bem caracteriza a Liga dos Amigos do Tortosendo que continua a marcar o registo na simpática e acolhedora coletividade que até sabe descentralizar a ação e envolver os parceiros.
Basta lembrar o último Natal quando a filósofa e escritora Vanessa Martins escreveu o conto “O Frio do Menino Jesus” que além de ter sido ilustrado pelo artista Tó Pê teve a particularidade de chegar à mão das crianças da vila.

Uma iniciativa da Liga que foi apadrinhada pela Junta de Freguesia local, entidade que tudo fará para contribuir para o bem-estar e felicidade das 250 crianças do Tortosendo. E não é “coisa” pouca admite o autarca David Silva que no decurso do Porque Hoje é Domingo – o programa que passa aos domingos de manhã na telefonia, anunciou que haverá de convidar Vanessa a escrever a história do Tortosendo para crianças.

É fantástico este entusiasmo de quem sabe como a complementaridade e a partilha de recursos são hoje uma das regras base da sobrevivência dos povos e suas entidades e organizações tantas vezes habituadas a fazer muito com poucos recursos.
Boas-práticas adotadas pela Liga dos Amigos do Tortosendo que com a ajuda de outros parceiros públicos e privados conseguiu promover uma belíssima exposição de retratos do jovem pintor do Tortosendo Guilherme Ramos.

“Rostos”. Assim se chama a mostra que pode visitar num espaço cedido pela Gráfica do Tortosendo e na qual o também estudante de belas-artes dá expressão mágica a muitos dos exercícios das aulas.
Um encontro feliz com as artes na vila que ainda no último Verão brindou a comunidade regional com o Urban Art do Tortosendo que até homenageou o malogrado Zéca Afonso.

Símbolo de uma identidade que enriquecerá os próximos exemplares do Boletim Informativo da LAT que lá para setembro chegará à centésima edição. Nessa altura a publicação terá “um selo de qualidade”, promete David Silva que através da Junta de Freguesia local continuará a patrocinar atividades que muito enriquecem as comemorações dos 90 anos da elevação do Tortosendo à categoria de Vila.


sexta-feira, dezembro 09, 2016

Reencontro com Idanha

Naquele domingo de dezembro o sol envergonhado convocava-me para um passeio longe das rotinas e do quotidiano dos dias. Enquanto o grupo acompanhava a partida de futebol que opunha o Fundão ao Idanhense fiz-me ao caminho e andei a pé até ao centro de Idanha-a-Nova. A primeira paragem foi no Centro Cultural Raiano mas antes descobri como a geografia urbana da sede de concelho tinha crescido e sido acompanhada pela construção de novas infraestruturas de apoio à prática desportiva e de lazer.

A primeira surpresa ocorreu quando o jardim com equipamentos para a manutenção do corpo e da mente, instalado perto do novo hotel Estrela de Idanha, me pareceu pouco ou nada frequentado. Um excelente espaço de lazer que tantas pessoas gostariam de ter no seu bairro e na aldeia mas que em Idanha-a-Nova parece ter pouca procura.
Talvez o frio de dezembro não seja convidativo. Talvez as pessoas vão ao ginásio amiúde. Talvez não haja pessoas que gostem da prática de exercício físico.
Mas há pessoas? Se a área urbana cresceu é porque o número de famílias também aumentou.
Mas e então onde estão as pessoas?

Na tarde em que as avenidas de Idanha se apresentavam desertas e em que os bairros se caracterizavam pela calmaria de uma tarde sem movida até me foi difícil encontrar um espaço de cafetaria aberto. Mais depressa tropecei numa loja made in China. Pudera, estão em todo o lado e nas cidades mais populosas até vão aparecendo os China Shopping!

O périplo continuou e lá atrás soube bem observar que o Baroa, referência local gastronómica, continua de portas abertas e por certo a fazer as delícias de quem gosta de uma boa mesa.

Mas voltemos ao Centro Cultural Raiano, espaço de cultura inaugurado por Jorge Sampaio na década de 90 do século XX. Ponto de encontro com a cultura transfronteiriça. Porta de entrada para a experimentação e visitação de culturas oriundas dos dois lados da fronteira.
A sala que marcou um território e uma geração de políticos e fazedores de coisas foi financiada pelo Interreg II e só por isso já era o garante de que o espaço haveria de continuar a seu o laboratório e ideário de agentes e pessoas de Portugal e de Espanha.

Foi a pensar nessa memória e na história do quotidiano de outrora que entrei no Centro Cultural Raiano para observar exposições e dinâmicas à volta do território.
A escassez de pessoas que caracterizava a vila na tarde de domingo era também uma realidade num espaço cultural onde “há dias em que o número de visitantes é de um ou às vezes nem vem ninguém”, descreve a rececionista e guia da sala onde permanece uma exposição sobre agricultura.

Na sala de visitas da Raia não havia apenas a demonstração das artes e ofícios à volta da Campina mas também uma exposição fotográfica sobre o Património de Proença-a-Velha. É então que a profissional de serviço no Centro Cultural se lamenta quanto à falta de adesão dos locais às mostras que presentemente ali acontecem. “Talvez por já conhecerem as nossas tradições vêm pouco e não ligam, já estão habituadas”, diz.

Solícita e empenhada, a mesma profissional entra na conversa da visitante e admite que a frequência de público é hoje em dia “menos regular e numerosa”. “Tem dias!”, diz-nos quem nos relata a enchente do dia anterior pois “houve aqui um encontro de tunas” ou recorda o tempo em que o Inatel enviava frequentemente turistas para a capital da raia em Portugal.

No mesmo instante oferece-me um exemplar da ADUFE – Magazine Cultural editada pelo Município de Idanha. Uma publicação excelente e diferenciadora de tudo o que existe em matéria de agendas culturais municipais. 

A ADUFE transporta o leitor muito para além da oferta cultural. A publicação dirigida pela Divisão de Cultura do Município de Idanha-a-Nova é um roteiro sobre figuras marcantes da região (desta vez o destaque vai para Ribeiro Sanches ou para uma entrevista ao Ministro da Cultura Luís Filipe de Castro Mendes que é natural de Idanha), lugares e gente profundamente conhecedora da nossa geografia usos e costumes. Neste particular merece ênfase o relevo dado a Toulões ou à narrativa que destaca a verdadeira guardiã da história de Penha Garcia. 

A beleza das paisagens contrasta com o ceticismo dos dias em que nos damos conta de como a falta de gente pode “matar” uma terra, um destino, uma região. A desertificação é, aliás, uma realidade que marca os discursos de quem já na década de 90 – Joaquim Morão, autarca com obra feita e reconhecimento aqui e além-fronteiras é uma dessas vozes que nunca se cansa de colocar o dedo na ferida e ao mesmo tempo contagiar tantos e mais uns com esse apelo maior para que ninguém esqueça o Interior - defendia a necessidade de atrair investimentos à campina.

Mas os anos passaram, foram concretizadas obras, o ensino superior manteve-se, o município apostou no turismo e em projetos para a fixação de pessoas e aproveitamento dos campos mas nem assim se estanca a desertificação humana. Diante esta realidade cruel haverá Missão de Valorização do Interior que nos valha?


terça-feira, novembro 29, 2016

Gestos e Afetos

No outro dia fomos visitar o João. Não nos víamos há algum tempo e com o avanço da idade dos Martins ganhamos consciência de que temos de estar mais presentes.
Há um tempo em que a magia dos afetos nos convoca a conhecer pessoas. 
Muitas Pessoas! 
Convencemo-nos que temos muitos amigos e gerimos as nossas rotinas em função do convívio e partilha com esses tantos e muitos amigos.
Mas a vida muda, tornamo-nos mais maduros, perdemos alguma paciência e tornamo-nos mais seletivos. Às vezes selecionamos tanto que nos tornamos seres egoístas e pouco disponíveis para o outro.
Em boa verdade essa realidade e tendência a mantermo-nos na zona de conforto também resulta das desilusões e de observarmos a forma desapegada que caracteriza a relação entre pares. É como se estivéssemos dentro de quatro linhas e cada passo fosse uma espécie de jogada na defensiva! E essa autoproteção resulta, quase sempre, no início de um processo de isolamento que cria uma certa exclusão entre pares.
Mas não é o desalento quanto à natureza e afetuosidade das relações que aqui pretendo escrever.
Afinal o mote para esta narrativa foi a visita ao João Martins.




O João completou 90 Primaveras e era dos melhores e mais desinteressados amigos do meu Pai. Viu-me crescer, era visita regular a nossa casa na serra da Gardunha. Acompanhou o meu crescimento e conhecia o João Gabriel desde sempre. Todos os anos voltava à Gardunha e fazia-se acompanhar de um punhado de amigos. Durante um tempo o casal Martins e esses outros amigos passaram a ser nossos amigos também. Aquelas pessoas finas, bem-postas e muito educadas - como de forma simplista a minha saudosa mãe caracteriza os Martins e seus amigos - chegaram a acampar nas imediações da Casa Florestal de Castelo Novo!

Naqueles anos ainda não havia o conceito de Turismo na Natureza e a Gardunha também não dispunha de um Glamping Natura. Mas os Martins que deixavam a geografia do mar aviavam-se em terra para, comodamente, se instalarem na serra. Esse jardim natural cujo foco de maior beleza eram os cedros sob os quais existiam as mesas hexagonal e retangular com bancos de granito à volta e que a cada dia de Verão eram bastante procurados pelos turistas!

Mas voltando ao João Martins. Esse Amigo que me viu crescer e acompanhou o avanço da idade de meu pai, a perda de minha mãe, a minha ida para a escola, o primeiro emprego e o jornalismo. O casamento e o nascimento de meus filhos….
O João é hoje o mesmo homem charmoso e inteligente, brincalhão e amigo do coração, mas está perder energia. 
Há dias, nessa tal visita improvisada, que nasceu de um forte aperto no meu coração, encontrei-o menos alegre, para não escrever triste. Encontrei-o acabrunhado e desiludido com as consequências do avanço da idade.
Em boa verdade o João cabisbaixo que eu visitei este novembro é também um homem desiludido com a vida e com os amigos que ainda estão nesta vida. O João que há muitos anos visitava a Beira Baixa uma a duas vezes por ano para levar cerejas do Fundão, azeites, queijo, azeitonas e enchidos da Beira deixou de vir amiúde. Passou a vir mais espaçadamente. E ultimamente já nem vem!
Deixou de conduzir. Entregou-se á dependência! E embora continue a caminhar pela cidade de Lisboa, o homem que adora mar e peixe fresco de Setúbal há muito que se desfez da casa localizada mais perto desse horizonte de memórias povoadas da imensidão do mar que é como quem diz da plenitude da amizade e dessa grandiosidade, às vezes finita, dos afetos.

E é diante tamanha circunstância que o João e outros como ele se dão conta de como a amizade é afinal algo que pode ter os dias contados. E quando assim acontece, seja por via da finitude do Ser seja por outras razões que a realidade ainda não partilhou connosco, sentimo-nos mais sós. Foi essa realidade que pude observar na tranquila e melancólica manhã de Outono quando a cara-metade do João, de lágrima nos olhos, me segredava: Estamos sós. Cada vez mais só.
Aquele instante caiu-me no coração como flecha que deixa marca e domina-me o pensamento. Faz-me pensar noutros passos, pessoas e circunstâncias que de igual forma me magoam e fazem pensar nas muitas pessoas que ao longo de uma parte da vida se cruzaram comigo e subitamente perderam o meu contacto telefónico.

Preocupa-me este modo de ser e estar e na busca incessante por uma explicação que atenue a minha dúvida lembro um poema de Vinícius de Morais sobre a Amizade que evoca a singularidade do Ser.
Esse bicho, tantas vezes incompreendido!
E diz assim:
(…) Um Bicho igual a mim
Simples e humano
Sabendo-se mover
E comover
E a disfarçar com o meu (seu) próprio engano.

Seja como for o importante é constatarmos que ao longo da caminhada nos fomos cruzando com outros bichos, às vezes ingénuos, capazes de acreditar que o verbo pode dar lugar ao gesto.

Querido João e Mariette, nós -  os Gabriel de Matos - estamos sempre aqui para continuar a mimar-vos com um sorriso franco e farto ou com as couves da Tapada do Caldudo que desta vez ficaram no Fundão. 
“Foi pena que assim tenha acontecido, pois quando te vi entrar logo pensei em cozinhar as couves do Fundão”, disse o João que gosta de enviar flores e postais,  ainda escreve cartas e muitas vezes brinda a minha Leonor com o desenho, postal ou fotografia de um golfinho. 
Sim o João adora fotografia e ao longo da vida tirou-me muitas das fotografias que hoje enriquecem o baú da memória. 
Obrigada João! 

quarta-feira, novembro 16, 2016

Em Memória de um Guardião

Quando nos despedimos de um fiel depositário da memória sentimos nostalgia mas também insegurança e fragilidade.
Ontem partiu um guardião da memória e das boas práticas das Obras de Misericórdia. Um homem com um enorme sentido de responsabilidade e apego às causas e dores de uma das mais nobres instituições do Fundão.
Eurico Ramos, irmão da Misericórdia do Fundão desde novembro de 1971. 


Conheci-o há muitos anos. Poderei dizer que o percurso do irmão e dirigente da Santa Casa da Misericórdia do Fundão se cruzou com o da jornalista em mais de duas décadas. Eurico Ramos era um homem cordial e compreensivo.
Mesmo em tempo de "guerras" e dificuldades de maior nunca lhe ouvi uma resposta torta ou uma observação menos própria, narrativa tão comum quando o jornalista quer ir além do óbvio.
Quis o destino que um dia me cruzasse e privasse com o senhor Eurico Ramos numa outra condição. A de colaboradora da Instituição onde Eurico Ramos era dirigente.
Foi durante este tempo que me dei conta de como Eurico Ramos nos observava sem qualquer tipo de sobranceria. Não havia dia, enquanto a saúde lhe o permitiu, que não viesse à Misericórdia deixar um sorriso e demonstrar inequívocos sinais de empenho e dedicação à organização onde esteve ligado mais de quarenta anos.
Ouvi na Rádio uma declaração pública do Provedor da Santa Casa em que Jorge Gaspar manifestava sentido pesar pela perda de um dos mais empenhados e abnegados irmãos da Misericórdia do Fundão. Uma observação perfeita e bem ilustrativa sobre alguém que de forma zelosa cuidava da memória, das tradições e do culto da Santa Casa.  Uma realidade que pude constatar nos anos em que apreendi um bocadinho da experiência de Eurico Ramos na construção e caminhada de cada uma das edições da Semana Santa no Fundão. Um dos mais respeitosos e enriquecedores momentos anuais da vida da Santa Casa começava a ser preparado muitas semanas antes. Eurico Ramos ficava dias agarrado ao telefone e estabelecia contatos, construía pontes e envolvia a comunidade nas tradições Quaresmais. Também no âmbito do culto e das obrigações da Irmandade, plasmadas no livro do Compromissso da Santa Casa, Eurico Ramos recordava com entusiasmo os antepassados da visita dos irmãos aos doentes. Ajudava a identificar as campas dos irmãos falecidos e dava sempre o seu contributo no sentido de nos esclarecer, aos mais jovens colaboradores da Misericórdia, como deveríamos agarrar as situações e proteger a memória coletiva.
Depois, havia o Museu e uma quase ligação umbilical à geografia e história secular da instituição. Os cortejos de oferendas para a construção do hospital do Fundão. Tantas memórias! Tanto saber acumulado. Um dia escrevi que Eurico Ramos era o Guardador de Memórias. De facto a Santa Casa do Fundão e os seus colaboradores estão mais pobres com a partida do fiel depositário da história da Misericórdia.